Quero um site para o meu moto grupo/moto clube! Rotas da Liberdade Moto Clube Bahia | Motogrupo Salvador Bahia

/ voltar

Acidente, vítima viva

Passo a passo

Acidente, vítima viva


 08/05/2015

 
Ocorrendo acidente no trânsito urbano entre carro e Motocicleta, vitimando o Motociclista com lesões corporais, saiba como proceder na prática. Vale lembrar que a jurisprudência pacificou que esse tipo de acidente é considerado atropelamento.
1 – Independente do seu estado, não permita ser removido, aguarde o SAMU ou Resgate.
2 – Acione a Transalvador para proceder o Registro de Acidente de Transito – RAT in loco.
3 – Seja conduzido pelo SAMU ao pronto atendimento hospitalar. Após o atendimento, solicite atestado referente ao tempo de convalescência assim como o relatório médico discriminando as lesões.
4 – Obtenha da Transalvador a cópia da RAT com o respectivo número da ocorrência.
5 – Dirija-se à Delegacia Territorial de polícia que atende a área da ocorrência.
6 – Registre a ocorrência na DT. O registro policial é devido em razão da lesão corporal, o que é crime, portanto não se trata de danos materiais. A polícia não obriga a nenhum tipo de indenização, apenas e tão somente irá tratar da lesão corporal como crime. Obtenha a Certidão.
7 – Obtenha da DT a Guia de Perícia da Motocicleta e a Guia para exame de lesões corporais a ser realizada no Instituto Médico Legal. Os laudos serão encaminhados pelos órgãos diretamente à DT.
8 – Acompanhe a perícia na Motocicleta para efeito de retirá-la logo do pátio da GTRAN. Após vinte e quatro horas da perícia será cobrado a permanência no valor de R$ 28,00/dia.
9 – Se você não puder retirar a Motocicleta, qualquer pessoa poderá fazer, porém mediante autorização pública lavrada em Tabelião. Sendo pai ou irmão, mediante Autorização escrita particular.
10 – Se a Motocicleta foi transportada por viatura da Transalvador, será devido a taxa de R$ 67,00 a ser recolhida em banco, só assim será liberada.
11 – A Motocicleta poderá sair rodando, conduzida por pessoa habilitada, se estiver em condições, ou seja, retrovisores, lanternas, faróis, lanterna de freio, luz de placa, freio e embreagem, do contrário só mediante reboque.
12 – A Motocicleta não será liberada se houver pendências ou irregularidades com a documentação.
13 – Tenha sob guarda todo e qualquer documento acerca do acidente, entre eles, notas ficais, guias de recolhimento de taxas, certidões de ocorrências, comprovantes de despesas com médicos, hospitais e farmácias, fotografias, orçamentos etc.
14 – Verificada a hipótese do causador do acidente se recusar a indenizar amigavelmente, recorra ao juizado especial de trânsito (e espere) e diligencie no inquérito policial na respectiva DT.
15 – Além das despesas burocráticas com os danos materiais, você poderá pleitear os lucros cessantes decorrentes da impossibilidade de exercer suas atividades.
16 – Acione o DPVAT para se ressarcir das despesas médico hospitalares (dentro do limite do DPVAT).
17 – Em toda essa fase, você não precisará de Advogado, mas é bom ter um de confiança.

Criação de Sites - Allan Carvalho

Visitas: 3877971 - Online: 191

Site para Moto Grupos & Moto Clubes © 2008 - 2017 AC Criação de Sites